Ninguém queria comer a gordinha da faculdade!

Footjob

Ninguém queria comer a gordinha da faculdade!
Tenho 25 anos e faço faculdade de Administração. Na minha sala tem uma gordinha que se chama Ana Paula, ela tem 22 anos e é bonita de rosto, mas é daquelas gordinhas de peitão e bunda gigantes, uma barriga pra frente e um par de coxas bem roliças. Quando ela senta na cadeira a bunda ainda sobra para os lados! A garota era tão grande, que chamava a atenção de todos por onde passava! Diziam que ela ainda era virgem, pois não seria qualquer cara que teria coragem de comer ali! Ana Paula era bem branca, olhos claros e cabelos pretos bem compridos.

Na classe, a molecada vivia tirando sarro e ridicularizando a coitada, xingando de baleia, falando que ela ia morrer virgem e que ia sufocar o cara com quem transasse de tão pesada que era. A galera não perdoava nas gozações e eu via que isso a deixava bastante deprimida! Por conta dos insultos e do bullying sofrido, ela ficava cada vez mais isolada e quase não tinha amigos. Eu tinha pena e até sentia uma certa atração por ela, mas eu guardava segredo para também não ser zuado pela galera.

Em uma das aulas, nós tivemos que fazer um trabalho em grupo e Ana Paula sentou do meu lado. Ela estava de vestidinho e com as pernas de fora. A gordinha com aquelas coxas grossas ficou bem encostada em mim e por não caber direito no espaço entre as cadeiras ficou roçando frequentemente durante quase toda a aula e algo inesperado aconteceu: meu pau ficou duro!

Então comecei a imaginar como seria aquela gordinha pelada. Foi então que de sacanagem, eu esfreguei minha perna direita com mais força na coxa de Ana Paula, ela nem ligou e percebi que até estava gostando!

A partir desse acontecimento, passei a conversar com ela durante as aulas e notei que era até uma moça agradável e de bom papo. Ela tinha o seu charme e acabamos ficando amigos, mas ainda sem segundas intenções com ela. Apesar de ela me despertar certo desejo, eu acreditava que não seria o “corajoso” que ia inaugurar aquela bucetona.

Certo dia, ela se sentou na cadeira da frente, estava de calça de lycra bem apertada, imaginem a cena! Aquela bundona enorme saindo pela cadeira, parecia que fazia de sacanagem pra me provocar. Meus colegas ficaram rindo e zuando a mim e Ana Paula: “Ela tá te dando mole! Come essa gordinha!”, “Olha o tamanho dessa bunda, cuidado pra não se perder dentro dela!”.

Eu não dava ouvidos e puxava assunto com ela como sempre fazia ultimamente e tentei ser gentil: “Não liga pra esses idiotas! Você está linda Ana Paula!”. Ela sorriu e disse que eu estava apenas falando aquilo para agradá-la e que ela sabia que os garotos tinham razão. Até que não aguentei e soltei: “Ana, eu estou falando a verdade! A sua bunda é linda! E que bundão, hein!”. Adivinhem o que ela respondeu com uma carinha de tímida e safada ao mesmo tempo: “Como você sabe se ainda não viu?!”. Meu pinto subiu na hora!

Quando terminou a aula, convidei Ana para tomar um chopp! No bar, ela bebeu e comeu pra caramba! Várias porções de frango, batata-frita, provolone… Eu estava vendo que a conta ia vir alta. Papo vai, papo vem, começamos a conversar sobre sexo e ela me disse que ainda era virgem e que não tinha esperanças de um dia transar, visto que os homens só se aproximavam para xingá-la. Falei que estava enganada e fui soltando uns elogios de leve. E na medida em que a bebida ia subindo os elogios foram ficando mais ousados, comecei a dizer que ela era gostosa, que tinha uma bunda linda e atraente… Até que fomos parar no motel!

Eu estava bêbado, mas não estava ali só por causa do álcool, eu estava doido de tesão pra comer aquela delicia! Nós nos acomodamos na cama da suíte e abaixei com sacrifício aquela calça de lycra que estava bem apertada nas suas gordurinhas. Ana Paula vestia uma calcinha branca, pedi que deitasse de bruços pra ver com atenção o tamanho do rabo. Puxei sua calcinha pra cima para enterrar tudo e fiz um fio dental. E gostei do resultado! Que bundão maravilhoso! A calcinha era praticamente engolida por aquele rabo faminto e guloso.

Ana Paula aparentava um certo nervosismo, típico de uma garota virgem! Falei pra ela relaxar e prometi que tudo seria fantástico. Botei aquela gordinha sentada na ponta da cama e pedi pra mamar meu pau. Uau! Que boquete gostoso! Eu percebi que ela sabia muito bem usar aquela boca quentinha e carnuda, e não era só pra comer! Depois pedi que ela tirasse o resto da roupa e quando ficou totalmente pelada pra mim, nossa! Enlouqueci! Aqueles peitos enormes balançando, aquela bundona gigante, a buceta cheia de carne.

A safada tinha mesmo um rabo grande e apetitoso, o maior que eu já vi! E quando ela ficava de quatro pra mim, eles pareciam maiores ainda! Dei uns três tapas fortes e mandei-a rebolar! Não resisti e sugeri um meia nove, mesmo sabendo do risco de ser esmagado. Chupei sua buceta por trás e lambi aquele cuzão! Ficamos ali um tempão, ela mamando com gosto meu cacete e eu sufocado ali embaixo…

Até que eu não aguentei mais a sensação de falta de ar e pedi pra mudarmos de posição. Ela deitou de barriga pra cima e abriu bem as pernas. Então eu pude reparar melhor na buceta de Ana Paula, que era rosadinha e bastante carnuda. Meu pau estava muito duro, mas parecia pequeno perto de todo aquele corpão. E chegou a hora de comer a bucetona dela… Percebi uma certa dificuldade na penetração, mas não era só pelo fato dela ser gordinha, ela também era bem apertadinha por ser virgem! A lubrificação então começou a facilitar as bombadas, me deitei em sua barriga e fiquei fazendo movimentos de “balancê”, indo e vindo com meu pau ao encontro de sua xota, enquanto balançava apoiado em sua barriga!

Depois pedi pra ela ficar de quatro e usei as duas mãos para separar as metades de sua bunda. Vi um rabinho lindo e apetitoso. Não resisti e após uma acariciada circular na região do ânus, enfiei o dedo inteiro no seu cuzinho. Ana Paula soltou um gemido e fez uma cara de muito prazer. Ela rebolava e eu olhava pelo espelho! Era um tesão ela fazendo cara de safada! E quanto mais eu enfiava fundo o dedo, mais ela gemia! Enlouqueci vendo aquele cuzinho piscando. Então eu me posicionei mais perto dela e comecei a bombar na sua xota, que de quatro mais parecia a buceta de uma égua! Bombei forte naquele monte de carne, então não aguentei e falei que iria gozar…

Ela se virou de frente pra mim e coloquei meu pau todo lambuzado na boca dela. Comecei a fuder aquela boca faminta, bem fundo! Ela engasgava, mas não recuava. Uma hora ela pediu desculpas pela ânsia de vômito, porém aquilo me deu ainda mais tesão. Comecei a dar tapas leves na cara dela. Para me avisar que curtiu, soltou um gemido e eu fiquei ainda mais louco! Aumentei a força das pancadas e enfim, gozei muito na sua boca! Ela fez questão de engolir tudo e deixar meu pau limpíssimo. Tomamos um banho e fomos embora do motel. Deixei Ana na sua casa e fui embora pra minha, totalmente de “barriga cheia” depois de comer tanta carne… Que tesão de gordinha!!!

Yorum bırakın

E-posta hesabınız yayımlanmayacak. Gerekli alanlar * ile işaretlenmişlerdir